| 34

O idealista

REFLEXÃO DO DIA
22.06.22

Quando se fala em ideal, pensamos nos grandes idealistas da história, que se entregaram de corpo e alma a alguma causa, em benefício de sua comunidade, da sua nação, ou mesmo, da humanidade. Daí, acreditamos que ser idealista não é coisa para nós, porque nos julgamos ainda pequenos ou mesmo incapazes.

Mas, é claro e evidente que, cada um de nós, pode e deve ter um ideal, pois, o verdadeiro idealista não é só aquele que luta pelas causas comuns, mas, também, todo aquele que estabelece para si uma meta dignificante de vida e de proceder, que tem como reflexo o bom exemplo, que arrasta aqueles que o admiram e que, portanto, estão dispostos a segui-lo espontaneamente.

Um ideal pode ser apenas o desejo manifesto de fazer algo de bom, de abrir sempre um sorriso singelo, ou então, a intenção de fazer um sacrifício de maior proporção em benefício de uma causa comum, ou não. E assim, não precisamos desenvolver extraordinárias aptidões como pré-requisito para termos um ideal.

Se não temos, façamos nascer um em nós. Descubramos um que se ajusta ao que somos e às nossas características, e concentremos nele as nossas forças, nossas vontades e aspirações, sem darmos lugar às desesperanças.

É assim que nos aperfeiçoaremos e manteremos acesas as chamas do nosso espírito, pois, com o espírito iluminado, surgirão em nós novos níveis de satisfação, como o autocontrole diante das dificuldades, a vibração do entusiasmo que contagia e a firmeza de propósitos na execução das tarefas do dia a dia.

Ter um ideal é, antes de tudo, fazer vibrar de forma positiva, completa e abundante a nossa vida. E, não nos esqueçamos de que, o melhor ideal de vida é aquele que pode nos trazer uma felicidade "quase" permanente, que só está presente naqueles que vivem para servir.

Que tenhamos uma quarta-feira carregada de entusiasmo e de fé no alcance dos nossos ideais. Nós somos capazes!






  • Fontes: CLAUDIO RODRIGUES