| 81

A vida é um mistério

A vida é um mistério! E em cada novo começo esse mistério se torna um pouco mais profundo e maior. Podemos nos perder nele. Mas ele pode também tornar-se nosso lar.
O filósofo da religião Pe. Romano Guardini (1885-1968) fala disso: “Quanto mais velho eu fico, maior se torna o mistério em tudo. Mas também acontece outra coisa: o mistério torna-se habitável”.
Hoje é sempre o primeiro dia do resto da minha vida, e ainda é preciso aprender muita coisa. Todo dia é o primeiro dia. Com cada dia surge algo novo. Toda manhã podemos criar um novo começo. Por toda a nossa vida.
A cada instante a vida se renova, às vezes sutilmente. Sempre recomeçamos, mesmo que não percebamos. Caminhas pelas mesmas estradas porém com novos olhos. De mãos vazias podemos redescobrir o mundo enigmático.
Na mística eu continuo sempre sendo um principiante. Ela me leva do não-saber ao não-saber. O primeiro não-saber está no início da viagem, onde literalmente eu não sei nada e me encontro num âmbito desconhecido.
No meio do caminho eu assimilo um pouco de conhecimento, mas tão logo imagino ter chegado, ele me escorre pelos dedos das mãos, e me encontro novamente diante do nada. Semper incipe, é o que diz uma antiga escritura mística: “comece sempre de novo”. O primeiro não –saber é ignorante, o segundo é uma porta para o mistério.
Existe a possibilidade de ultrapassarmos os limites da nossa percepção. Santo Agostinho ( 354 d.C – 430 d.C.) falou isso numa fórmula: “Você precisa se esvaziar do que acumulou dentro de si, para poder se preencher com aquilo de que você está vazio”. Coração inquieto e um amor ardente pela sabedoria.
Toda pessoa é e permanece sendo um mistério, mesmo diante de si mesma.Mas é possível aprendermos a conhecer os mecanismos dos nossos pensamentos, para também poder modificá-los, se necessário. Esse processo nunca é concluído. Ele se repete sempre em novos ciclos.
O ser humano é mais do que alguém que tem funções, que representa esse ou aquele papel. Esse processo é semelhante àquele do escultor que retira do material tudo o que não pertence à imagem, para trazer à tona o verdadeiro, o essencial. Uma camada após a outra é retirada. Não sou minhas conquistas nem minhas deficiências. Tudo isso são coisas externas que passam, não tem solidez e não são realmente importantes para uma pessoa, mesmo que no momento possam sê-lo.
O que resta afinal? Um centro sagrado. Uma essência indivisível. Individuum est ineffabile, diz o franciscano e filósofo medieval Wilhelm Von Ockham ( 1285-1347): “ O indivíduo, a pessoa, é inefável”. Cada um é um próprio momento de Deus.
No seu interior cada pessoa é um mistério. Naturalmente são poucas as que sabem disso.
14.01.2022 Prof. Dr. José Pereira da Silva







  • Fontes: PROFESSOR DR. JOSÉ PEREIRA DA SILVA