• Home
  • Emprego
  • LG vai encerrar também produção de notebooks e monitores em Taubaté; 700 devem ser demitidos
| 134

LG vai encerrar também produção de notebooks e monitores em Taubaté; 700 devem ser demitidos

Medida vai impactar na demissão da maioria dos 1 mil trabalhadores na planta, segundo sindicato; empresa sinalizou que pretende manter 300 funcionários em call center. Na segunda-feira, fabricante sul-coreana anunciou saída do mercado de smartphones e fechamento de fábrica de celulares no interior de SP.
De acordo com a entidade sindical, em uma reunião com a empresa sul-coreana nesta terça-feira (6) representantes da marca informaram que não têm intenção de seguir com as atividades na cidade. Isso pode ser o fim total da produção industrial da LG, que está na cidade desde 1997 e emprega 1 mil trabalhadores. Com o quadro, 700 trabalhadores diretos devem ser demitidos.

A empresa sinalizou ao sindicato que pretende manter na cidade 300 funcionários do call-center.
De acordo com a entidade, rodadas de negociações nos próximos dias devem tratar de questões como plano médico, PLR e capacitação profissional aos desempregados. O G1 apurou que a medida foi anunciada a funcionários na manhã desta terça-feira pelo presidente da planta.

"A LG posicionou que é por conta da questão do ICMS e não ter incentivos no Estado de São Paulo, coisa que encontra em Manaus. Isso teria sido debatido com o governador do estado de São Paulo, que foi intransigente", disse o presidente da entidade.

Além da fábrica em Taubaté, a LG mantém outra na Zona Franca de Manaus (AM), na qual produz aparelhos de ar-condicionado, geladeiras e outros eletrodomésticos da chamada linha branca.

No interior paulista a marca tem cerca de 1 mil funcionários. A estimativa com o fechamento da fábrica de celulares é que a medida afetaria 400 empregos diretos - o número global, com terceirizados de fábricas exclusivas supera 800 postos de trabalho, só ligados à cadeia de produção de smartphones.

Com o fim de todas as atividades industriais em andamento, o sindicato informou que a LG diz ter um plano de realocação de alguns trabalharem para Manaus ou São Paulo, mas não disse quantos.






  • Fontes: G1 VALE DO PARAIBA e REGIÃO

Últimas Notícias


Notícias relacionadas