• Home
  • REFLEXÃO
  • Geralmente, queremos que as coisas mudem, mas, não tomamos a iniciativa para isso
| 72

Geralmente, queremos que as coisas mudem, mas, não tomamos a iniciativa para isso

Não queremos assumir a responsabilidade de começarmos essa mudança por nós mesmos.

Nós é que devemos criar fatos novos na vida, semeando as boas sementes do pensamento, do desejo e da ação, para assim colhermos os frutos das transformações que entendermos serem necessárias.

Nós é que decidimos quais são os nossos objetivos, a forma e o momento de começarmos a agir. O destino não nos escolhe. Nós é que o escolhemos e cabe somente a nós construí-lo. Ele é pessoal e intransferível.

Só passaremos pelo mundo uma única vez, e qualquer contribuição que pudermos dar para melhorá-lo, temos que dá-la agora. É a garantia de que o mundo depois de nós, será melhor do que hoje é, e, para tanto, ao invés de ficarmos esperando ou buscando oportunidades, devemos criá-las.

Não tenhamos a ilusão de que somos o resultado dos fatos que acontecem ao nosso redor, nós é que temos que criar os fatos, sendo os agentes das transformações.

Ouçamos a voz da nossa consciência e façamos tudo o que for possível ser feito, para que as mudanças partam de dentro nós, das nossas convicções.

Lembremos, nesta terça-feira, que quando alguma coisa não acontecer como esperávamos, sejamos otimistas, pois, quem garante que não poderia ter sido muito pior?!






  • Fontes: HÉCTOR GUERRERO